Até bem pouco tempo atrás, não tinha muita relevância uma empresa informar sobre suas vantagens em ser um bom lugar para se trabalhar, acontece que hoje já não é mais assim.

As pessoas procuram por ambientes mais aderentes a seus propósitos antes mesmo de procurar por oportunidades e isso tem se intensificado. Muita gente aceita ganhar menos para trabalhar num ambiente mais adequado.

Para entender melhor essa transformação vale ressaltar dois conceitos:

1. Recrutamento e Seleção:

Recrutamento e Seleção é a área dentro do RH responsável pela atração dos melhores candidatos para ocuparem as vagas da empresa.

Através da aplicação de testes e/ou entrevistas que identificam aspectos técnicos e comportamentais, o futuro ocupante da vaga é avaliado. Hoje em dia também são observados níveis de compatibilidade com a cultura da empresa.

Com a evolução da tecnologia impulsionando a chamada “Transformação Digital” do mercado de trabalho, o popular R&S (Recrutamento e Seleção) vem passando por mudanças conceituais e precisou se moldar as novas tendências, objetivando um processo mais ágil, inteligente e porque não estratégico.

2. Marketing de Recrutamento:

Responsável por desenvolver, definir e potencializar a marca do empregador por meio da divulgação de vagas, identifica os diferenciais que fazem da empresa um excelente para trabalhar. Traz consigo o conceito de que se deve converter candidatos em contratações, da mesma forma que o marketing tradicional se propõe a converter prospects em clientes.

O foco aqui não é apenas atrair candidatos mais parecidos com as oportunidades, e sim aqueles que tenham valores e características pessoais alinhados à cultura da empresa, gerando relacionamentos duradouros.

Instrumentos como anúncios com conteúdo criativo que utilizam novas mídias para atingir os profissionais certos e convencê-los a se candidatar são essenciais no Marketing de Recrutamento.

A utilização de e-mail marketing e recrutamento nas redes sociais também faz parte desse processo. Inclusive existem empresas utilizando ferramentas de CRM e aquisição de talentos para anunciar vagas e manter contato com candidatos mesmo que estes não tenham sido aprovados em eventuais oportunidades.

Esse conceito ajuda a desenvolver um material de recrutamento muito mais efetivo para sua empresa transformando aquele tradicional anúncio de vaga, em algo não consistente.

Recrutamento e Seleção & Marketing. Como esses dois conceitos se relacionam?

Leia também: o que é Clima Organizacional e o que fazer para garantir um ambiente saudável e produtivo para todos

O funil de recrutamento

Existem responsabilidades bem parecidas tanto para um profissional de Marketing quanto para um de Recrutamento, além do foco em comum.

Candidatos são considerados “oportunidades de negócio” e por isso, passam por um funil de recrutamento, semelhante ao de vendas. Podemos ainda entender que ferramentas de marketing são usadas para “vender a empresa” e a vaga. 

Alguns benefícios que essa parceria pode gerar:

Fortalecimento da marca como empregadora

O marketing de Recrutamento consiste basicamente no gerenciamento da marca e a atração de candidatos em potencial que representam o perfil de funcionário ideal para as necessidades do negócio. A marca empregadora mostra entre outras coisas a “realidade” do ambiente da empresa. Ao mesmo tempo em que promove seus valores para o público de fora e os que estão dentro, visto que os colaboradores são influenciadores promovendo maior assertividade nas novas contratações.

A marca influencia diretamente na probabilidade de o candidato aplicar para uma vaga.

Uma pesquisa realizada pelo The Talent Board (organização sem fins lucrativos focada na qualidade de recrutamento e experiência de candidatos) perguntou a mais de 28 mil profissionais qual o relacionamento inicial e o status de consumidor em relação à empresa que o contratou. Mais de 50% dos candidatos eram clientes e tinham uma experiência positiva com a empresa.

Uma boa reputação pode contribuir para a redução de custos com contração.

Uma outra pesquisa, da Bersin by Deloitte, mostra que que 61% dos candidatos aceitariam uma oferta com um salário menor pela marca certa.

As Informações sobre a empresa estão disponíveis para todos, independentemente da vontade da mesma. Se a empresa não cuidar de sua reputação, as pessoas irão fazer isso.

Novas habilidades para o Recrutador

O recrutador precisa ser capaz de “vender” os pontos fortes da marca da empresa para o talento que está tentando alcançar.  Este tipo de ação eleva o patamar da empresa frente aos concorrentes e gera consistência das contratações.

Atração de candidatos de mais fit com a empresa ajuda reduzir custos

As empresas que alcançaram um ROI ideal quando se trata de aquisição de talentos mantêm suas contratações por mais tempo. E esses funcionários se tornam defensores da marca que provavelmente o encaminhem no futuro.

Novo jeito de ser alinhado com as tendências.

A informação está cada dia mais disponível, o que contribui para que os talentos se tornem mais críticos. Não são mais as empresas que selecionam seus colaboradores, mas sim os candidatos que escolhem os lugares que desejam trabalhar.

O novo tipo de colaborador não aceita mais ser coadjuvante e busca protagonizar sua própria carreira. Precisamos conhece-lo, afinal, cada colaborador tem sua importância e faz a diferença dentro da companhia e as grandes empresas já estão percebendo isso.

Seguir com uma boa estratégia de marketing permitirá que as empresas obtenham candidatos de qualidade. Por fim, contratações mais assertivas, por meio de processos de marketing de recrutamento devem fazer parte do direcionamento da área Recursos Humanos para alcançar melhores resultados.

Por David Silva, Product Owner HCM – Gestão de Recrutamento

Fonte: Senior Sistemas