Computação cognitiva ditará transformação dos negócios

Estudo recomenda que os CEOs incrementem suas estratégias utilizando análise preditiva e cognitiva para investigar novas tendências, aprofundar o envolvimento do cliente e abraçar novos mercados e canais de distribuição.

Computação cognitiva ditará transformação dos negócios

Embora o conceito de computação cognitiva seja relativamente novo, a maioria dos presidentes-executivos avalia que ele ditará as mudanças tecnológicas em um futuro próximo, de acordo com um novo estudo da IBM – empresa parceira da Senior para o fornecimento de soluções em Cloud Computing.

Intitulado “Redefinindo a Competição: Insights do Estudo Global C-suite – A perspectiva do CEO” e elaborado pelo Instituto IBM para Valor de Negócios, o estudo destaca como as tecnologias emergentes estão se entrelaçando e combinando de novas maneiras, fazendo com que as empresas redefinam a forma de se relacionarem com os clientes e parceiros de negócios.

De acordo com o levantamento, metade dos CEOs que lideram estratégias de inovação acredita que a computação cognitiva vai revolucionar seus negócios nos próximos três a cinco anos — 19% mais do que os chamados CEOs seguidores de mercado e 35% mais do que todos os C-suites (ou C-levels) combinados.

“CEOs sabem que precisam se preparar para um futuro, pois os avanços tecnológicos ocorrem em grande velocidade e as classificações tradicionais da indústria já não existem e ‘ecossistemas’ revolucionam mercados inteiros”, diz Peter Korsten, vice-presidente da IBM Global Business Services. “Os principais CEOs do nosso estudo fornecem orientação a partir do qual todos os demais podem aprender como se preparar para um mundo de competição redefinido.”

Segundo ele, todos os CEOs identificaram uma ameaça competitiva primária e o risco de interrupção de sua indústria causada por um concorrente de fora de seus ramos de atuação. “Os CEOs estão particularmente sintonizados com esse novo cenário, sendo que 60% deles esperam mais concorrência de outras indústrias”, diz Korsten.

O estudo aponta ainda que os CEOs estão especialmente focados na inovação. “Eles estão olhando para reinventar suas empresas, em vez de simplesmente ajustar produtos ou serviços existentes. Os executivos também estão mais propensos a repensar os segmentos de clientes que atendem e a explorar novos mercados e canais de distribuição”, diz o relatório.

E é exatamente isso que o estudo recomenda: para inovar, evoluir e superar os desafios do futuro, os CEOs devem incrementar suas estratégias utilizando análise preditiva e cognitiva para investigar novas tendências, aprofundar o envolvimento do cliente e abraçar novos mercados e canais de distribuição.

 

Fonte: Senior