Inteligência Artificial já consegue aprender a trabalhar em equipe

O objetivo do jogo é capturar a bandeira (Foto: Divulgação)
O OBJETIVO DO JOGO É CAPTURAR A BANDEIRA (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Em Quake III Arena, os jogadores precisam trabalhar em equipe para capturar bandeiras flutuantes — tudo isso evitando os disparos mortíferos dos adversários. Poderia ser um jogo comum mas, pela primeira vez, a Inteligência Artificial (IA) dominou o trabalho em equipe em uma complexa partida de videogame, coordenando suas ações com colegas de equipe humanos e de computador para derrotar os oponentes. O resultado foi publicado na revista Science.

Os pesquisadores da empresa DeepMind lutaram para conseguir que a Inteligência Artificial trabalhasse em equipe porque, apesar de ser intuitivo para os humanos, prever como os outros participantes se comportarão (um componente crucial do trabalho em equipe) acrescenta um nível totalmente novo de complexidade e incerteza para a tecnologia.

No novo estudo, os pesquisadores conseguiram que os robôs com IA ensinassem uns aos outros a trabalhar em equipe. Sua “sala de aula” era uma versão simplificada do jogo de tiro em primeira pessoa de 1999, Quake III Arena. No jogo, duas equipes navegam por um mapa 3D para recuperar uma bandeira que estava na base da equipe adversária. 

Os cientistas criaram 30 robôs diferentes e os colocaram uns contra os outros em uma série de jogos em mapas gerados aleatoriamente. Eles foram treinados usando algoritmos inspirados no cérebro chamados redes neurais, que aprendem com os dados alterando a força das conexões entre os neurônios artificiais.

Inicialmente os robôs agiram aleatoriamente. Mas quando suas ações recebiam pontos, este comportamento era repetido por meio de um processo chamado aprendizado por reforço. O programa de treinamento também abateu os robôs que tendiam a perder e substituiu-os por cópias dos que haviam se saído melhor, “inspirados na forma como a variação genética e a seleção natural ajudam os animais a evoluir”.

Captura de tela do jogo Quake III Arena (Foto: Divulgação)
CAPTURA DE TELA DO JOGO QUAKE III ARENA (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Os robôs aprenderam a jogar com humanos e máquinas, e até desenvolveram estratégias cooperativas. Em um teste, os equipamentos com IA inventaram uma estratégia completamente nova, explorando um bug que permitia aos colegas de equipe dar um impulso de velocidade, conseguindo atingir os inimigos pelas costas.

Segundo Max Jaderberg, um pesquisador de IA da DeepMind, a abordagem ainda é incapaz de trabalhar no mundo real, mas existe uma chance de ir além dos jogos de computador no futuro. Se a IA conseguir trabalhar em equipe, ela poderá fazer de tudo, desde carros autônomos que evitam acidentes até assistentes robóticos que ajudam médicos durante procedimentos cirúrgicos.

Fonte: Revista Galileu