Elaine Saad, presidente da ABRH, fala sobre os desafios do Conarh 2016

Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas reúne especialistas para discutir práticas inovadoras.

Elaine Saad, presidente da ABRH, fala sobre os desafios do Conarh 2016

Entre os dias 15 e 18 de Agosto, no Transamerica Expo Center, em São Paulo, com o tema: “Gestão que inspira pessoas que conquistam”, acontece mais uma edição do Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas – CONARH.

Elaine Saad, presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH Brasil), fala sobre o tema principal, o conteúdo apresentado aos profissionais de Recursos Humanos e as tendências de treinamentos e inovação na área de RH no Brasil. Acompanhe a entrevista concedida ao portal Mundo RH:

De que forma o tema central do CONARH 2016 busca elevar a conscientização da influência estratégica e inovadora do RH no Brasil?

O tema central do evento passa a ideia do quanto é importante inspirar as pessoas para que elas possam conquistar por si próprias. Influenciar é ajudar o outro a conquistar seu espaço e não conquistar por ele.

De que maneira o conteúdo que será apresentado ao público deste ano foi inspirado e criado?

O conteúdo da grade do CONARH é feito por um grupo de profissionais de recursos humanos, que é composto por pessoas que atuam em posições corporativas de RH, consultores e pessoal da academia. O grupo inicia os trabalhos praticamente 14 meses antes do Congresso, discutindo temas de relevância e estudando como esses serão passados e por meio de quem. Nesse período as ideias vão se consolidando e se transformando na grade final do evento.

Na visão da ABRH Brasil, quais as tendências em treinamentos devem pautar o RH neste segundo semestre de 2016?

Em um momento do país em situação de crise, o segundo semestre deve continuar sendo pautado pelos assuntos relacionados à retenção de talentos, reestruturação de pessoas e otimização de recursos. A área de RH sofre muito quando há cortes de budget. Apesar do país parecer estar reagindo um pouco melhor, ainda não esperamos uma reação a todo vapor até o final de 2016.

Na visão da ABRH, qual deve ser o foco do RH neste momento de transição política que vive o Brasil?

Suporte às pessoas para que possam passar por essa crise de maneira balanceada emocionalmente, principalmente os líderes e gestores de pessoas.

O que deve pensar o RH que busca atrair e reter os seus talentos?

Deve contribuir para dar equilíbrio de atuação para seus líderes e criar um clima organizacional saudável.

Como a sua gestão pretende inovar o RH do Brasil?

O nosso grande objetivo da atual gestão é atuar para que a influência de RH ocorra com mais amplitude, força e profundidade. E também para que, nesse sentido, a própria Associação se fortaleça junto ao mercado. Em todos os casos, há oportunidades de fortalecer a atuação dos profissionais. Durante décadas, o RH pediu lugar à mesa de decisão das organizações, conquistou esse espaço e, agora, precisa ocupá-lo com efetividade, sentando ao lado do primeiro homem e sendo influente como os seus pares de outras áreas. Há quem já faça isso? Sim, sem dúvida. É a maioria? Infelizmente, não. Estamos no momento de identificamos nossos stakeholders, mas falta repertório, posicionamento e talvez um pouco de coragem para que nossa comunidade de gestão de pessoas avance.

Fonte: Senior